terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Fim de semana e abusos alimentares?


segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Ortorexia: quando a preocupação em comer bem traz prejuízos

Neste quadro comportamental, o objetivo não é o baixo peso corporal, mas a "manutenção" da saúde 

 

Atualmente, existe uma preocupação crescente em se alimentar bem. E isso tem suas muitas vantagens para a saúde. Porém, em alguns casos – quando tal preocupação torna-se excessiva –, as consequências são negativas.

 Click no link para ler a matéria completa

https://www.dicasdemulher.com.br/ortorexia/?utm_source=webpush

 

domingo, 7 de janeiro de 2018

Ansiedade


A ansiedade é hoje um dos principais problemas gerados pela vida agitada e estressante nas grandes cidades. Entretanto, mesmo que esse seja um sintoma comum entre as pessoas, muitas vezes pode se agravar, acarretando situações mais graves que podem levar, por exemplo, a desequilíbrios alimentares.

Tentando encontrar uma saída para o sentimento de ansiedade, muitas pessoas acabam cometendo excessos alimentares como busca inconsciente para amenizar sensações desagradáveis – como stress, solidão, cansaço, tristeza, raiva – gerando um quadro de sobrepeso e até obesidade. Além das doenças relacionadas ao sobrepeso, como pressão alta, diabetes, doenças do coração e infarto, os efeitos emocionais também são preocupantes.

Mas mudar a forma de se alimentar não é tarefa fácil, pois todo o comportamento alimentar envolve questões físicas e emocionais – difíceis de modificar e o principal responsável pelo fracasso das dietas.

Hoje, existem métodos que auxiliam a lidar com o comportamento emocional e alimentar, como o programa Comportamento Magro. Nele, o paciente recebe tratamento personalizado e aprende a criar comportamentos adequados para perda de peso e um corpo saudável.

 O foco principal desse programa é o lado emocional, onde o paciente se torna autor de seu próprio emagrecimento, aprendendo a se responsabilizar pelo processo e deixar de pensar que é a gordura que se apropria dele, sem que ele possa fazer nada. Com isso, a idéia é que a pessoa crie um comportamento magro, em que ela não se utilize da comida para compensar sentimentos.

 A psicologia é um aliado no processo de reeducação alimentar e contribuem de forma significativa para que as pessoas emagreçam, mantenham-se magras, livrando-se do indesejável efeito sanfona. A psicóloga Sílvia Luciana Kotaka é especialista no tratamento da obesidade e no desequilíbrio alimentar.